Lançamento da Moeda “Figurado de Barcelos”

Figurado de Barcelos imortalizado e homenageado em Moeda Nacional

A escultora Baiba Šime, responsável pelo design da Moeda, que tem na face um escudo nacional rodeado por oito galos de Barcelos e conta no verso com várias figuras do bestiário da cidade, esteve presente no lançamento da moeda no Museu de Olaria juntamente com alguns dos mais prestigiados mestres barristas de Barcelos, Júlia Cota, João Ferreira, Irmãos Baraça e Mistério.

Os colecionadores de divisas vão poder acrescentar mais um modelo do Banco de Portugal à coleção. Para os aficionados em numismática, a moeda poderá ser adquirida através das instituições de crédito e das tesourarias do Banco de Portugal e no Museu de Olaria.

Cidades e Vilas Cerâmicas

Barcelos é um dos fundadores da Associação Portuguesa de Cidades e Vilas Cerâmicas

A AptCC tem como objetivos, entre outros, a defesa, a valorização e a divulgação do património cultural e histórico cerâmico, o intercâmbio de experiências entre associados e a nível internacional, bem como a consciencialização de empresários e das comunidades locais para a importância histórica e patrimonial da cerâmica, seja na vertente artesanal como industrial, e ainda evidenciar o seu potencial para a sustentabilidade económica e social das cidades e vilas associadas.

A escritura da constituição da associação foi assinada pelos 14 municípios envolvidos, numa cerimónia que contou com a presença de representantes do Agrupamento Europeu das Cidades Cerâmicas.

Além de Barcelos, fazem parte deste grupo de arranque da AptCC os municípios de Alcobaça, Aveiro, Batalha, Caldas da Rainha, Ílhavo, Mafra, Montemor-o-Novo, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Tondela, Viana do Alentejo, Viana do Castelo e Vila Nova de Poiares.

“Barcelos assume-se como um grande centro da olaria e figurado no contexto nacional,  reconhecida pela UNESCO como Cidade Criativa na área do Artesanato e Artes Populares. 

Historial da AptCC

O processo de criação da AptCC foi lançado no início de janeiro de 2015, numa reunião em Mafra com os municípios interessados, a que se seguiu uma segunda reunião nas Caldas da Rainha, tendo sido concluído a 15 de março do 2016, em Aveiro, o processo de elaboração e discussão dos estatutos da associação.

Este processo de elaboração estatutária passou pela aprovação desses documentos fundadores por todos os executivos camarários e assembleias municipais, posteriormente submetidos ao visto do Tribunal de Contas, nos termos da legislação vigente, processo concluído no início de 2018.

Esta iniciativa,  foi estimulada pela visita do coordenador europeu e simultaneamente italiano das cidades cerâmicas, acompanhado pelo coordenador espanhol, em dezembro de 2014, que executavam uma missão do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial das Cidades Cerâmicas, com vista ao estabelecimento, na maioria dos países europeus, das respetivas associações de cidades cerâmicas.

 

 

Barros do Telhado

No âmbito do projeto a “Casa do Barro” foi estabelecido um protocolo de colaboração entre o Município do Fundão e o Município de Barcelos, tendo em vista a cooperação para a dinamização da Casa do Barro, na freguesia do Telhado, concelho de Fundão, através do Museu de Olaria, com o empréstimo de peças do espólio do museu. Promover e desenvolver espaços culturais e a melhoria da qualidade de vida das populações locais pela sua fixação em meio rural é um dos objetivos deste projeto, nomeadamente no que respeita à gestão e manutenção deste espaço através da colaboração entre as duas instituições.

Horário de Funcionamento:
De 2ª a 6ª feira: Das 09h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00
Sábado das 14h00 às 17h30

*Entrada Gratuita

“an essence of a legacy” (uma essência de um legado)

“an essence of a legacy” (uma essência de um legado) é uma criação audiovisual inspirada na arte e na criatividade do Figurado Barcelos, cuja identidade é um símbolo da capacidade criadora de uma comunidade e nos transporta para novas dimensões do território da região oleira de Barcelos, com recurso à exploração dos seus aspetos sonoros e visuais.
“an essence of a legacy” procura desenvolver uma viagem de experiências preceptivas, procurando representar as suas características identitárias mais particulares.

Ficha Artistica e Técnica:
Conceito, gravação, edição, composição sonora e visual, e interpretação: Frederico Dinis
Produção: Pensamento Voador – Associação para a promoção de ideias
Apoio à residência: Museu de Olaria
Apoios: Câmara Municipal de Barcelos, Museu de Olaria, Turismo de Barcelos, Pensamento Voador – Associação para a promoção de ideias, CEIS20 – Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX
Agradecimentos: Cerâmica João Coelho Silva, Júlia Côta, Armando Brás, Rosa Portela, Irmãos Baraça

Biografia:
Frederico Dinis é um compositor intermédia português, performer audiovisual e investigador de media arts, que procura representar um espaço-tempo figurativo, combinando narrativas sonoras e visuais com espaços inusitados. O seu trabalho tem sido abraçado por museus, salas de concerto, espaços públicos e eventos, na Europa e no Brasil.

Barcelos Cidade Criativa

Barcelos integrou em 2017 a Rede de Cidades Criativas da UNESCO. A existência de uma comunidade criativa local com reconhecimento nacional que desenvolve boas práticas e “know-how” que foram adquiridos ao longo de séculos.

 Assim, ao integrar a rede das cidades criativas, Barcelos pretende:  

  • Valorizar as oficinas criativas tradicionais e apoiar novas gerações de artesãos;
  • Promover a criação de estruturas de incubação e hubs criativos na cidade e de estruturas informais de apoio à atividade artística, criando mecanismos de apoio à profissionalização das áreas artísticas e criativas;
  • Fomentar projetos de interface entre domínios artísticos e criativos diversos e estimular a cooperação com outros pólos exteriores de I&D ou de produção criativa;
  • Promover um incremento da visibilidade externa da actividades artística e criativa do concelho
  • Promover o Turismo Criativo e de Experiências;
  • Potenciar o aparecimento de novas empresas criativas;
  • Potenciar uma rede que inspire, fortaleça e traga novas ideias para um mundo mais próximo e cooperante.
  • Desempenhar um papel ativo no desenvolvimento de projetos com outras cidades da rede.
  • Apostar na formação internacional através do alargamento territorial do projeto de mobilidade europeu, que desde à 5 anos tem trazido a Barcelos jovens de diversos países da Europa, numa vertente de conhecimento e aprendizagem onde se privilegiam formações e workshops nas indústrias criativas locais.
  • Estreitar laços com África particularmente com países de expressão portuguesa, no sentido de apoiar o entendimento do artesanato e da arte popular como fonte de desenvolvimento e sustentabilidade, numa perspetiva de partilha de formação e saberes.
  • Estruturar um novo paradigma de desenvolvimento.
  • Apostar no networking internacional para conferir sustentabilidade à realidade criativa local.
  • Criar valor na e para a rede das cidades criativas da UNESCO;
  • Associar Barcelos à rede das Cidades Criativas em todas as ações de promoção do território;
  • Participar em feiras, convenções e outros eventos, onde a cidade e a rede são valorizadas;
  • Desenvolver a consciência académica, da comunidade, da sociedade civil e do empreendedorismo, para a importância das artes e ofícios para o desenvolvimento local;
  • Promover a rede de cidades criativas da UNESCO, seus objetivos e princípios

 

 

Geração Mistério

Mistérios” do Barro

Dando continuidade ao ciclo de exposições sobre as famílias barristas mais emblemáticas da região oleira de Barcelos, o Museu de Olaria abriu o ano de 2019 com um certame dedicado ao figurado da Família Mistério.

A produção de louças de barro tem contribuido, desde há muito tempo, para a subsistência económica de muitas centenas de famílias da região oleira de Barcelos, e simultaneamente “modelou” a identidade social e cultural do concelho. Curioso, é verificar-se que além da constante renovação dos barristas barcelenses, essa forma de saber-fazer colectiva não limita ou esmaga a criatividade singular, antes tem permitido o emergir de artesãos que, pelos seus traços peculiares, não só honram o artesanato das famílias de onde são provenientes como, eles mesmos, se tornam figuras de reconhecido prestígio nacional e internacional.

Nessa senda, os protagonistas da família Mistério são um excelente exemplo de como se pode conciliar a perpetuação de um nome e uma memória com o projectar de brilhantes carreiras artísticas singulares.

Uma Geração de Baraças ligada pelo barro

 

001

UMA GERAÇÃO DE BARAÇAS LIGADA PELO BARRO

É já no dia 3 de fevereiro de 2018 que abre ao público a próxima exposição temporária dedicada às famílias que produziram e produzem Figurado em Barcelos!

A geração Baraça tem início com Ana Lopes Gonçalves Valada, conhecida como Ana Baraça, cuja vida e obra foi reconhecida publicamente pelo Estado Português, a 8 de março de 1985, sendo condecorada pelo Presidente da República com o grau de Oficial da Ordem do Infante Dom Henrique.

A arte de trabalhar ao barro passou-a ao filho Fernando e à filha Rosalina. A mestria continua com os netos, primeiro Carlos, hoje com Vítor e Moisés. Dos temas tradicionais, com especial incidência no mundo rural, na religião e na festa, surgem hoje novas abordagens.

Uma geração de Baraças ligada pelo barro, com mais de uma centena de peças, a visitar no Museu de Olaria até 31 de dezembro de 2018.

052 025005 058

Exposição Pelas Mãos de Côta

O Museu de Olaria inaugurou no dia 4 de fevereiro de 2017 as exposições “Geração Côta” e “Pelas Mãos de Côta” no âmbito da 2ª mostra do Ciclo de Exposições dedicado às famílias mais carismáticas do artesanato figurativo barcelense.

Num universo de 139 peças de figurado, a exposição “Geração de Côta” contou com peças de Júlia Côta, Rosa Côta e Prazeres Côta pertencentes ao acervo do Museu de Olaria e da coleção particular de Prazeres Côta, entre músicos e coretos, presépios, cabeçudos, bonecas, bois, santos populares, anjos, diabo, mochos entre outros.

A exposição “Pelas Mãos de Côta”,  contou com 75 peças na sua maioria da coleção particular de Júlia Côta, desde músicos, bonecas, bois, centros de mesa, presépios grandes e pequenos, coretos, juntas de bois, numa variedade de artesanato figurativo com apitos em muitas das peças que apresenta.